OPINIÃO : Rompimento entre Ricardo e Lígia por causa da sucessão está “cristalizado” .

Fontes políticas confiáveis revelam que está “cristalizado” o rompimento político entre o governador Ricardo Coutinho (PSB) e sua vice, Lígia Feliciano (PDT), esposa do deputado federal Damião Feliciano, presidente do diretório estadual do partido.

Os sinais de distanciamento ganharam força com recentes declarações de Ricardo à imprensa, insinuando ausência de Lígia em eventos oficiais e atribuindo desimportância ao episódio. Em alguns setores ligados ao “clã “ Feliciano as declarações do governador foram consideradas até mesmo “machistas” e “deselegantes” para com a companheira de chapa da campanha de 2014.

O pano de fundo da divergência está relacionado com a sucessão ao governo do Estado nas eleições previstas para outubro. Lígia e o marido esperaram, em vão, um aceno qualquer do governador Ricardo Coutinho em apoio a uma virtual candidatura dela ao Palácio da Redenção, da mesma forma como aguardavam que Ricardo se desincompatibilizasse do cargo para disputar o Senado e, assim, facilitasse a investidura de Lígia para completar o mandato.

O governador, em termos de candidatura, adotou publicamente o nome do secretário de Infraestrutura e Recursos Hídricos, João Azevedo, que passou a ser orador frequente em solenidades públicas envolvendo entrega de obras, numa estratégia para massificar seu nome, já que ele nunca disputou mandatos políticos.

Filiado ao PSB, Azevedo teve ensaiado o seu pré-lançamento como candidato a prefeito de João Pessoa em 2016, mas a cúpula enfeixada por Ricardo acabou optando pela candidatura da professora Cida Ramos, que não chegou, sequer, ao segundo turno.

A estratégia do governador, de acordo com fontes que lhe são próximas, teria sido a de poupar João Azevedo de um desgaste na eleição municipal e prepara-lo para um desafio maior e mais importante para o projeto que Ricardo comanda – a manutenção do governo do Estado. Agindo de forma monocrática, sem consulta a outras lideranças representativas do seu esquema político, o governador tem sinalizado que pode permanecer no governo até o último dia para garantir a vigência do projeto administrativo em execução, evitando supostas ameaças ao cronograma por ele traçado.

Leia Também:   Ricardo confirma pagamento de janeiro do servidor estadual para terça e quarta

Em uma oportunidade, pelo menos, Ricardo admitiu desincompatibilizar-se e disputar o Senado se isto fosse estrategicamente relevante para o projeto do PSB, partido que comanda. Mas tem sido recorrente a insinuação de Coutinho quanto à permanência até o último dia.

Esta decisão está sendo interpretada em algumas áreas políticas como falta de confiança do governador Ricardo Coutinho na atuação da vice Lígia Feliciano. O tom de menosprezo adotado nas mais recentes afirmações acentuou a sensação, no próprio “clã” Feliciano, de indisposição do governador para com o deputado Damião e sua mulher, a doutora Lígia, dando à relação entre eles um aspecto de hostilidade ou de desentendimento.

O deputado Damião Feliciano, desde o início do processo, ainda no ano passado, admitiu como natural o desejo de sua mulher de ascender ao governo do Estado e, se possível, disputa-lo nas urnas com o apoio de Ricardo. Deixou claro, porém, que o “clã” manteria lealdade política a Ricardo até o final da sua gestão.

Diante dos últimos acontecimentos, o quadro torna-se imprevisível, não se descartando, em certos setores, uma reação mais forte do grupo do PDT liderado pelo deputado Damião Feliciano.

Por Nonato Guedes

Fonte: Polêmica Paraíba