Caos na Saúde em Sousa : Cacá Gadelha abre caixa preta e detona: “É o padrão Tyrone”

O vereador líder da oposição em Sousa, Cacá Gadelha (PSDB) escancarou a caixa preta da Saúde municipal . Em audiência pública realizada na noite desta terça feira , o vereador cobrou providências contra epidemia de dengue que assola a cidade , sendo considerada a maior de todos os tempos , e hoje a maior no Estado.

Segundo o parlamentar , o governo municipal não tem planejamento e com isso perdeu o controle da situação da saúde . ” Os postos de saúde não possuem médicos , quando tem o médico , só atende um número limitado de pessoas, e em um ou dois dias. Nunca vi agendar atendimento para casos de urgências” disse .

De acordo com Cacá , a Secretária de Saúde de Sousa culpa a situação de epidemia, a gestão passada , maquiando números , e esquece que seu governo está há 1 ano e meio no poder . ” Parece que a memória da Secretária só atenta aos últimos seis anos . Ela esquece do governo Tyrone 1 , onde escândalos ainda estão sendo apurados , como o caso da hope medical , glaucoma , da upa . Esses casos são de desvios de dinheiro público. Esse é o padrão Tyrone de governar. Quem diz isso , é o MPF , é o TCE , e o agora o TCU . ” disparou.

Para Cacá falta competência para gerir a saúde pública , segundo ele basta se verificar que no ano de 2017 o município não atingiu o índice mínimo para aplicação de recursos na saúde e citou parecer do procurador do TCE na análise das contas de 2017 da gestão de Sousa :” O montante efetivamente aplicado em ações e serviços públicos de saúde correspondeu a 13,66% da receita de impostos, inclusive transferências, não atendendo ao mínimo exigido de 15% estabelecido no art. 198, §3º, I, da CF, c/c art. 7º da LC nº 141/2012. ” disse o procurador .

O vereador ainda lembrou que a Secretária deveria se preocupar além de cuidar melhor da saúde da cidade , com  o parecer do MP de Contas do TCE , que atesta que as obrigações patronais do ano de 2017 no Fundo Municipal de Saúde , apesar de empenhado (reconhecido), não se registram pagamentos no valor de mais de R$ 5 milhões.

” Na defesa feita ao TCE-PB , o Fundo de Saúde apresentou um protocolo de parcelamento , o que foi rechaçado pelo Procurador , onde ele afirma que o parcelamento apenas confirma as irregularidades que ocasionará em exercícios futuros danos ao erário. Se eu fosse ela começaria a se preocupar com isso . Até porque ela endossou uma transferência de recursos da conta do Fundo Municipal de Saúde para a Câmara sem autorização legislativa ” disparou